O Fio da Literatura | Eu não Sou Cachorro Não.

Sucesso de norte a sul do pais , patrimônio afetivo de grandes contingentes das camadas populares, esta vertente da nossa canção romântica tem sido sistematicamente esquecida pela historiografia da musica popular brasileira.
Nas publicações referentes a década de 70, de maneira geral são focalizados nomes como Chico Buarque, Elis Regina, Gilberto Gil, Milton Nascimento, e discos como “Sinal Fechado”, “Falso Brilhante” e “Clube da Esquina”, todos sem duvida representativos , mas que na época eram consumidos por um segmento da sociedade bem restrito de público, localizada na classe média-alta. O que a maioria da população brasileira ouvia eram outras vozes e outros discos.
A palavra “brega”, usada para definir esta vertente da canção popular, ´só começou a ser utilizada no inicio dos anos 80. Ao longo da década d 70 – período que compreende o universo desta pesquisa – a expressão utilizada é ainda cafona, palavra de origem italiana, cafóne, que significa individuo humilde, vilão, tolo.
Divulgada no Brasil pelo jornalista e compositor Carlos Imperial, a expressão cafona subsiste hoje como sinônimo de brega, que segundo a Enciclopédia da Musica Brasileira, é um termo utilizada para designar “coisa barata, descuidada e malfeita, que não foge ao uso sem criatividade de clichês musicais e literários.
Ressalto que sempre eu fizer referencia ao repertorio “cafona” – a palavra aparecerá entre aspas porque contem um juízo de valor impregnado de preconceitos com os quais não compartilho – estarei me referindo aquela vertente da musica popular brasileira consumida pelo publico de baixa renda, pouca escolaridade e habitante dos cortiços urbanos, dos barracos de morro e das casas mais simples dos subúrbios de capitais e das cidades do interior.
Como definiu o jornalista Dirceu Soares, “subúrbio é um lugar que fica entre a cidade e o campo. Ali mora um tipo de gente que ainda não se sofisticou, mas que também já não é mais matuta. E é esta mistura de culturas que vive a maior parte da população brasileira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *