Navalhadas Curtas: Um entardecer e dois Velhos.

Em meu breve intervalo, sentei-me uma praça próxima ao serviço. Sentia fome de respirar gente.

Levei o Velho(Bukowski – Livro O Amor é um Cão dos Diabos) comigo. Queria sorver seus poemas duros. Ter o prazer de remover suavemente a armadura que os envolve a todo momento.

Então deleitar-me em minha solitude voluntária.
Um velho negro senta-se próximo a mim neste instante. Tinha o cheiro de vida. Cheiro da miséria, da fome, sujeira, um forte aroma de mijo.

Olhei-o de canto de olho. Segui lendo. Notei assim mesmo, que seus olhos estava cravados em mim, com a boca semiaberta e um ar algo bestial.
Talvez ele quisesse algo?
Grana, uma cachaça? Fragmentos de minha humanidade?
Ou a merda com tudo isso, baboseira repetitiva repleta de ausência e significado. Imitar bondade.

O olhar ainda cravado em mim. Então sorri dizendo:
-Vou ler algo pra ti.

Ele sorriu e acedeu com a cabeça. Então li um poema do Velho, curto, áspero e cheio de alma, começava assim: “ás vezes sou amargo, mas no geral o sabor tem sido doce. É apenas que tenho medo de dize-lo. Amor é doloroso e bom ao mesmo tempo…”

Quando termino a leitura, aqueles olhos ainda me olhavam, uma boca sem dentes fazia o ensaio de um sorriso. E tudo que ele disse antes de ir embora foi:

-Esse cara é bom…esse cara é bom…

E foi embora com o vento, fiquei ali. Ganhei minha tarde, talvez meu dia talvez. Ás vezes algo bom nos envolve, e toda miséria fica longe, bem longe.

L.F.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *