Navalhadas Curtas: Salvação hipotética

Fui na padaria buscar uns pãezinhos para o café. Pão novinho é bom, cheiro de pão, já estava salivando e imaginando na manteiga se desmanchando na superfície do pão.
Comer é bom e isso ninguém deve negar. Os pecados capitais em sua maioria são ótimos…é que o pessoal exagera na quantidade.
Entro na fila do caixa, duas senhoras a minha frente conversam escandalosamente em um comportamento descuidado, usando aquela máscara “de” pescoço e falando da vida alheia enquanto a saliva voava para todos os lados.
Quando me liguei da situação dei dois passos atrás…senti cheiro do negacionismo. Gente perigosa.
Então quando a senhora mais agitada deu-se conta que me recuei ela virou-se para mim: O senhor fique tranquilo, eu não tenho COVID não!
Respirei profundamente: Sim senhora eu sei…mas distanciamento é uma regra…
Ela fica irritada, faz um muxoxo* e vocifera: Senhor fique bem tranquilo eu estou com Jesus no coração e quem tem Jesus não pega Covid! Entendeu? Jesus me protege de tudo!
Negacionista com fanatismo religioso. Coquetel perfeito para meu silencio ensurdecedor.
Que poderia dizer que não fosse perda de tempo?
Fiz meu sorriso amarelo através da máscara e felizmente a fila andou rápido.
Ela foi atendida e foi embora levando “Jesus” e o rancor em alguma parte do corpo.
Existem vírus que ainda não inventaram a vacina.
*Estalo que se dá com a língua e os lábios, à semelhança de um beijo, para mostrar desdém ou pouco caso em relação a pessoa ou coisa.
Fio da Navalha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.