Meio Ele – Meio Ela

Dóris pela manhã
Alexandre a tarde
Nenhum a noite
Ela me liga pela manha, tem angustia na voz:
Não sei o que eu sou – diz
Não se preocupe com isso, viva – eu digo
A tarde ele esta nervoso
A noite não existe
Dóris toca agora seus seios imaginários
Esta despida diante do espelho
E tem desejos que Alexandre não quer
Dóris flor
Dóris medo
Vazio noite
Alexandre tem um olha de garanhão castrado…
A noite invade o dia
Penetrando o luar em Dóris
Dóris canta o que Alexandre chora
A noite, sepulta as dores secretas de ambos
O Desejo…
A tentação…
O tesão…
Teus líquidos em ebulição…
Alexandre noite
Dóris mais tarde…
Manha vazia de fecundidade
É ternura
Silencio… E adeus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.