Mariana

Ela é das mais leves
E tem a inocência de menina
Como se fosse uma ciranda com a própria vida
É muito fácil gostar dela
Mariana risos
Mariana gritos
Mariana criança
Depois Mariana forçou casar
E o traço vil do viver
Fez suas marcas…
Tenta alimentar sua criança
Mas a realidade de mulher…mãe, esposa, trabalhadora
Cobram seu preço
Sim…
Quando olha-se no espelho
Pensa: não era para ser bem assim…
Mariana rugas…
Mariana inquietudes
Mariana…Marianaaaaaa?
Então
Apega-se com todas as forças ao que tem
Raiz sugando a terra

Beijo de roda
Ciranda de viver… cantigas de infância
O tempo fecundando o tempo
Vestindo o presente de passado
Expondo fendas que não se preenchem
Mariana desajeitada
Mariana brinca
Mariana esconde-esconde
Ontem vi mariana…
E ela não me olhou nos olhos
Sorriu de mentira
E nós sabíamos o que havia…
E creio
Que você também sabe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.