Jussara

Jussara abre outra garrafa
E ri muito
Esta quase serena
Jussara feliz
Jussara encanto e desencanto perdido
É daquelas que desejam tudo hoje
Dança sozinha no quarto
E acalenta futuras esperanças
Jussara selvagem
Com olhos felinos…
E alma de devassa
Olhando suas formas no espelho
Uísque e gelo
Não se vê
Não me vê
Jussara canta e limpa a casa
Olha os sapatos de salto alto
Que se gastaram…
Jussara lembranças
Tem saudades…
Jussara esperanças tecidas lá no futuro
Firme e doce
Jussara cabelos encaracolados
Sorriso e álcool
Fisgando atenções tantas…
Em seu ventre vazio
Jussara brisa e tornado
Mergulhando beijos antes de amanhecer
Jussara garrafa vazia
Hoje não precisa despertar cedo…
Jussara…
Lábios e silencio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *