Isabel

Os olhos de Isabel brilham
Seus sonhos e brisas sem noite
Alçando o voo sem perder
Perder-se…
Não teme as quedas
Já caiu…
Sabe como são as feridas
Isabel não grita
Mas geme baixo
Chora sozinha quando precisa…

Isabel econômica…
Isabel decidida…
Por vezes olha-se no espelho
Acha um pouco estranha…
Cabelo, olhos e boca…
Gosta e sua estranheza
Sem maquiagem, sem fantasias
Clean sinceridade

Isabel feliz… Assim
Catando roupas no quarto…
Esquecendo as amarguras de ontem
Sorvendo beijos molhados hoje
Se esconde e revela
Isabel quente…

Em traços sutis de silencio
Isabel abraça com carinho…
Isabel suave
Suave
Suave
Cantando uma canção baixinho
Tecendo emoções tantas
Afagando belezas outras…
Destilando um pouco de amor…
Isabel é quase sussurro
Isabel embarcação, de amarras esquecidas lá no cais…

Voando o profundo
A espera do vento certo
Isabel a beira…
Isabel devagarinho vem…
Isabel vai por ai…
Isabel olhos e voz grave…
Bel, Bel
Isabel… Você esta aí?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.