Glória

Glória chega em casa
Esta exausta
O dia pesa e sua cabeça também
Joga-se no sofá
Acende um cigarro
E ali estava seu momento de Glória
Deixa o silencio preencher os vazios
Se deixa levar por…
Glória uma tragada
Gloria quietude
Gloria quer ar
Não gosta de estar assim…
Precisa que alguma coisa arranque a solidão…
Liga a televisão
Liga o rádio
Acende todas as luzes
Então telefona para uma amiga
Fala, fala e fala,
E não diz absolutamente nada
Lembra de Francisco…
O quanto o amava…
Até que descobriu tudo…
A verdade não foi boa para ela…
A verdade estragou sua vida…
Descobrir a outra, foi o pior que podia ter ocorrido
E por um breve instante
Desejou que sua fosse ainda uma mentira… por favor…
Gloria olhos vendados
Gloria resvalando em sonhos
Gloria viagem ao passado
E como concertar isso Glória?
Seus olhos se enchem de lagrimas
E o coração quer voar…
Mas não consegue…
Olho Gloria, e a chamo para perto de mim
E abraço forte
Sou o dique de suas dores
Gloria não é assim…
Não precisa ser assim…
O futuro é uma promessa
Mas as correntes devem ser rompidas
Abandonar os estragos
Aliviar o navio da velha carga…
Para que ele flua
Beijando as marés…
Glória…
Vem comigo
O tempo nos leva
E o amanhã não espera por ninguém…
Gloria sorri
Gloria asas que se abrem
Gloria voou…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *