Gilda – Sete ao Entardecer

A Companhia Pelotense de Repertório Teatral apresentou ontem – Gilda

Com Ana Alice Muller e Joice Lima, Franciele Neves na técnica.

Texto e direção de Joice Lima.

” Não gosta de cantada de pedreiro? Acha machista? Pois é… A Gilda gosta. Aliás, adora uma boa cantada”

Gilda é uma mulher moderna que sabe exatamente o que quer. Não, ela não é a mulher maravilha, ela é maravilhosamente autentica e visceral.

Traz em si agonias, os medos e inseguranças que muitas mulheres tem, mas longe de se sentir coitadinha, ela parte pra luta e o melhor, vence.

Como qualquer mulher ou melhor como qualquer ser humano, ela tem suas histórias, que foram boas e outras nem tanto… mas o que ficou? O que ficou é a riqueza da experiência de viver, se sentir-se viva, bela, de amar a existência e sobretudo transformar caminhos.

Gilda é incrivelmente sensível, inteligente, irônica e claro muito divertida.

Adorei conhecer Gilda.

Acho que você deve conhece-la também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *