Fio da Literatura | O Contraponto

Refinados vícios…
“…ele tinha sempre escolhido o pior caminho, tinha feito coisas perversas, cultivado deliberadamente as suas piores tendências .
Era com a devassidão que ele distraia os seus ócios sem fim. Estava se vingando dela, e de si mesmo também, por ter sido tão estupidamente feliz e bom. Agia assim por despeito dela, por despeito de si mesmo, e por despeito de Deus.
Esperava que houvesse um inferno para onde ir e lamentava a sua incapacidade de acreditar na existência dele. Enfim, houvesse ou não inferno, era satisfatório, era mesmo excitante naqueles primeiros tempos sabes que se estava fazendo algo de mau e de errado. Mas há na devassidão alguma coisa tão intrinsecamente monótona, algo tão absoluta e desesperadamente triste, que só os seres raros, dotados duma dose de inteligência muito inferior á habitual e de muito mais apetite do que o vulgar, podem continuar a gozar ativamente o vício e a acreditar na sua maldade.
A maioria dos devassos é devassa não porque goste da devassidão, mas sim porque sente mal estar quando se priva dela. O hábito transforma os gozos esquisitos em necessidades monótonas e cotidianas. O homem que adquiriu o hábito das mulheres ou da bebida, de fumar ópio ou suportar flagelação, acha tão difícil viver sem os seus vícios como viver sem pão e água, mesmo quando a pratica do vicio se possa ter tornado em si mesma tão despida de sensação como comer uma côdea de pão ou beber um copo de água da pena. O hábito é tão fatal para o sentimento da prática do mal como para o gozo ativo. Depois de alguns anos o judeu convertido ou cético e o hindu ocidentalizado podem comer carne de porco e carne de boi com uma serenidade que para os seus irmãos ainda crentes parece brutalmente cínica. Passe-se o mesmo com o devasso habitual. As ações que a principio se afiguram emocionantes, excitantes na sua maldade intrínseca ,tornam-se, depois de um certo número de repetições, moralmente neutras.
Um pouco desgostantes, talvez, porque a prática da maioria dos vícios é seguida de reações fisiológicas deprimentes; mas que já não são “más”, porque se fizeram costumeiras.
É difícil uma rotina dar a impressão de maldade. Privado gradualmente, pelo hábito de seu gozo ativo e também de seu sentimento de fazer o mal(sentimento que tinha sempre uma parte integrante de seu prazer)voltara-se numa espécie de desespero para os refinamentos correspondentes as sensações .Dá-se justamente o contrario, quanto mais refinado é um vicio na sua extravagância estudada, quanto mais anormal e raro é ele, tanto mais monótona e desesperadamente vazia de emoção se torna sua pratica, se torna a sua vida.
O excessivo refinamento estético e intelectual corre o risco de se cobrado um tanto caro, á custa de alguma estranha degeneração emotiva, pelas baixezas compensatórias do comportamento humano, e por vezes humano demais.
Aldous Huxley | Contraponto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *