Espaços

Título

Existem espaços que jamais serão preenchidos
Estão fadados ao silencio
E a memória…
Existem espaços que ecoam
Como o banco vazio da igreja
Um toco de cigarro apagado previamente…

Espaço de mergulho
E o abismo que separa as emoções
Pontes tecidas de palavras
E o da opera antes do aplauso
Espaço que cabem em nossos espíritos
Espaço para estacionar o carro?
Espaços que fogem…
Lacunas e buracos
Que não se preenchem com nada…
Nem amor
Dinheiro
Rancor…

O passado retornando… É fatal
São as crateras lunares em você, em mim…
A beleza desmedida do fim…
E o risco cheio de esperança do novo…
O medo cala
No próximo passo…
Tudo torna a ficar bem…
Com você emergindo do próprio espaço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *