Dica de Filme-Barro Duro 2013

Sinopse:

Realizado num bairro afastado e periférico da cidade de Pelotas-RS, o Barro Duro. Bairro criado por negros que não podiam frequentar o mesmo espaço que os brancos e que ali se instalaram para criar suas próprias raízes, lendas e religiões.

– Mostra Ambiental no 11º Festival Latinoamericano de Cinema Ambiental (FestCine Amazonia);
– Exibição no V Visualidades 2013


LENDA DO NIORO

Contam que nas Terras do Laranjal ocorrera uma triste história…
Esta história foi contada em uma lenda embasada nas religiões de matriz
africana e é chamada de “A Lenda do Nioro”, que apresenta uma versão
alegórica da origem do nome “Barro Duro”…
Na época próspera para os senhores de fazenda, a escrava Donga e seu
filho Nioro foram alforriados por Sinhá Dona, quando de sua morte.
Além da liberdade, Donga recebeu um desvio da herança, feito pelo Padre,
para que mãe e filho fossem à igreja e servissem de exemplo a outros
negros que preferiam o batuque aos sinos…
Enquanto Nioro crescia livre pelos laranjais, sua mãe trabalhava
arduamente para juntar dinheiro e realizar seu sonho: ver o filho Doutor.
E assim foi. Nioro aprendeu o que pôde em sua terra e quando não
houve quem mais lhe ensinasse, o garoto viajou, pegou carreta, navegou
navio, foi longe…
Quando Nioro retornou à sua terra estava mais sabido que todos os seus
mestres e foi recebido com toque de tambor em festa alegre de negro
contente…
No entanto, sem alunos nem escola, Nioro desesperou-se, compadecendo
Donga, que prometeu obrigação ao oráculo africano Ifá. Assim, mãe e filho
dormiram em meio ao lugar mais privilegiado de natureza daquelas terras;
mas a confusão de Ifá havia sido cruel, pois, ao despertarem, Nioro fora
transformado em Mindolé-Miandombé (preto-branco) sem reconhecer sua
mãe nem seu povo…
Donga andava pelas Terras do Laranjal em total obsessão. Louca de saudade de
seu filho, ao ver o local tão lindo, junto à praia em que ele estivera adormecido,
jogou-se nas águas da lagoa e morreu.
Contam que os pescadores encontraram o corpo de Donga às margens da
praia, e que, ao tocá-lo, transformou-se em BARRO DURO, escuro e brilhante,
espalhando-se pela orla. Gritaram assustados: BARRO DURO, TERRA DE NEGRO.
Assim batizaram o lugar em que Donga virou barro de tanta saudade de seu
filho negro-branco.

Lenda do Nioro – Maria Helena Vargas da Silveira, 1993 – Porto Alegre
Adaptada por Tiago Kickhöfel.

Pelotas, 2013.

O filme encontra-se completo abaixo da ficha técnica, curtam é muito lindo o trabalho.

 

Ficha técnica:

Ano da produção:2013

Direção:Caio Mazzilli

Pesquisa e roteiro:Daniel Reigada,Sassá Souza e Tiago Kickhöffel

Fotografia:Lucas Mendonça e Caio Mazzilli

Montagem: Lucas Mendonça

Musica de Eduardo Freda e André Almeida.

Filme Barro Duro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.