AGOSTO NEGRO – MERCADO CENTRAL

A origem do Agosto Negro deu-se a partir de organizações feitas pelo grupo Black/New Afrikan Liberation Moviment , realizadas ações contra o racismo e repressão vivenciada pelo afroamericanos nos anos 1970. Foram ações culturais em todo o país.
Posteriormente o mês de agosto ganha um sentido político em outros países que também vivenciavam o racismo e discriminação social, como Cuba, Jamaica, África do Sul, França e Rússia, bem como na América Latina. No Brasil a utilização do mês de agosto para a luta anti-racista se deu or grupos ligados ao HIP HOP na cidade de São Paulo.
Hoje 28 de agosto, grupos e pessoas ligados ao Movimento Social Negro da cidade de Pelotas, com o lema “O tambor de sopapo no centro de nossa identidade cultural”, ocuparam às ruas da cidade anunciar os diversos grupos em luta contra o racismo guiados pela ancestralidade negra pelotense na figura do SOPAPO.
Em Frente ao Mercado Público, morada do Pai Barà , promoveu-se um momento de divulgação das ações coletivas em prol da comunidade negra pelotense, que constantemente é alvo de práticas e atos racistas . A violência racial vivenciada pelos pelotenses é algo que não pode ser naturalizado. Perseguições em lojas e supermercados, olhares acusatórios, a violência e intolerância religiosa, que muitos guardiões e guardiãs das tradições de matriz africana sendo violentados, como o caso do Pai Baiano. Tem-se também os recentes episódios de racismo como o caso da enfermeira negra no campanha de vacinação contra o COVID 19, bem como o episódio de racismo na câmara de vereadores. Violências cotidianas que não podem mais serem naturalizadas.
Também se questiona o valor dos recursos públicos, no plano plurianual destinados à projetos de combate ao racismo, bem como a rearticulação do conselho da comunidade negra pelotense entre outros .
Assim organizações negras como o Levante Negro Pelotense Contra o Racismo, Kilombo Urbano Ocupação Canto de Conexão presente , Ilê Axé de Oxum Panda e Xapanã Jubeti- Projeto Orumalé Sagrado, Associação de Hip Hop de Pelotas, Grupo de Dança Renovação , ONG Odara , Centro Cultural Recreativo Bloco da Mapa, Coletivo Beats-e-Tambores do Sul ,Radio Com , Primavera Negra , Caminhada 1 milhão de Negros e Negras à Brasília” marcaram o Agosto Negro Pelotense.
Texto Carla Avila

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *